segunda-feira, 8 de março de 2010

Longos dias

Longos dias sem nos vermos...
Você, louco,
Alucinado,
Carente,
Felino enjaulado.
Chega,
Liga-me e nada...
O telefone não era atendido,
A portaria estava vazia,
E você sobe...
Sobe até o ultimo andar,
Como se esse fosse o mais longo percurso de sua vida.
Batida insistente,
Mal abro a porta,
E você entra apressado,
Trôpego,
E excitado,
Puxa-me,
E me beija...
Beija meus lábios,
Pescoço,
E nuca,
Mal olha em meus olhos...
Minha camisola de alças é arrancada,
Minha calcinha preta é rasgada.
Ajoelhado perante mim,
Você cheira meu sexo,
Sente seu perfume inebriante,
E sorve do sexo húmido
Todo néctar necessário.
Sussurros,
Gemidos...
Gritos!
Gozo em sua boca,
E caio sobre ti.
Insaciável...!
Selvagem...!
Dominador...!
Abre minhas pernas,
E me invade...
Vagarosamente,
E com volúpia em seguida.
Nossas respirações
Viram refrões,
Nossos gemidos,
São coros.
E como um só
Explodimos em sexo selvagem...

Nenhum comentário: