quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

O CORPO AO QUERER

Edmar Guedes Corrêa
As mãos atadas á cama

O olhar angelical e submisso

Não dão idéia da chama

Que há em tudo isso
Os lábios embora mudos

Imploram por beijos molhados

E os seios rijos e carnudos

Sonham em serem chupados
As pernas inquietas demais

Movendo-se para todo lado

Parecem pedir mais e mais

Que as mantenham afastadas
Mas é da vulva úmida e quente

Que parte o clamor mais forte:

Ah, pica dura e imponente

Para a vida tu és meu passaporte!

Nenhum comentário: