domingo, 21 de dezembro de 2008

DEIXA...
Regina Azenha
(Do livro Fragmentos & Mutações - 1997)
Deixa que eu te ame assim,um amor calmo
e amiúde,que nada exige,que nada espera...
Deixa que eu te queira sempre,um querer
sem possessividade,um querer que só faz bem
mesmo quando se vive na saudade...
Deixa que eu cultue no pensamento
um pensar...assim tão docemente;um pensar
que sem forçar a mente seja, como de que
é capaz quem ama realmente...
Deixa...Deixa que eu siga assim,te amando à distância
te querendo numa constante,te aceitando como és...

terça-feira, 16 de dezembro de 2008


DELEITE...
Sylvia Cohin


"Quanto no silêncio de nós dois foi dito!
Tão sôfregas carícias nos fizemos...
Latejando de desejo nos quisemos,
Entrelaçados... profanos... e benditos...!


Só me lembro dos suspiros e gemidos
Entre beijos molhados e ardentes...
Açoitando nosso ritmo cadente...
Murmúrios e apelos tão sentidos!


Toma de mim o gozo que sufoca
Cobre-me! Abre todas as comportas...
Finca a tua carne em minha entranha!


Deixa meus lábios lerem tua geografia,
Libera os teus sentidos e confia...
Entrega-te ao deleite que abocanha!"

SERÁ VOCÊ MEU VÍCIO?
Fátima Abreu
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
"Se é um vício, não sei
Só sei que quero você
Em minha vida, todos os dias
Seja na tela
Seja em meus pensamentos
Seja no coração
Seja no pulsar ardente do meu sexo
Que clama por você
Que se instalou rapidamente
Em minha vida
De forma tão diferente...
Ah, você!
Que em versos me conquista
Que em volúpia e desejo
Dilacera meu coração
Pensar que posso te ter
É uma grande esperança
Para mim
Quando nosso amor, finalmente
For realizado
E os desejos aflorados...
Quando meu corpo se abrir
Para receber o teu
Quando teu corpo estremecer
Rente ao meu...
Quando num gozo esperado
Formos um do outro
Completamente...
Sente o pulsar de minhas entranhas
Tesouros que quero partilhar com você
Agora larga tudo, vem me ver..."
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

O TEU CORPO É UM TERRITÓRIO, SIM

"O teu corpo é um território sim
deixa-me pensar que é assim e
assim o percorro em círculos
não o percorro sim apenas nele
sinto texturas cores cheiros ecos
mas penso em obstáculos não
não digas não é um território é
digo eu e digo e com fronteiras
por isso a progressão deve ousar
também não se pode parar não
há tempo o que falta não é tempo
não existe fim para esta expedição."

Carlos Alberto Machado
"A Realidade Inclinada"


ACONTECEU-ME
...
Eu vinha de comprar fósforos
e uns olhos de mulher feita
olhos de menos idade que a sua
não deixavam acender-me o cigarro.
Eu era eureka para aqueles olhos.
Entre mim e ela passava gente como se não passasse
e ela não podia ficar parada
nem eu vê-la sumir-se.
Retive a sua silhueta
para não perder-me daqueles olhos que me levavam espetado
E eu tenho visto olhos!
Mas nenhuns que me vissem
nenhuns para quem eu fosse um achado existir
para quem eu lhes acertasse lá na sua ideia
olhos como agulhas de despertar
como íman de atrair-me vivo
olhos para mim!
Quando havia mais luz
a luz tornava-me quase real o seu corpo
e apagavam-se-me os seus olhos
o mistério suspenso por um cabelo
pelo hábito deste real injusto
tinha de pôr mais distância entre ela e mim
para acender outra vez aqueles olhos
que talvez não fossem como eu os vi
e ainda que o não fossem, que importa?
Vi o mistério!
Obrigado a ti mulher que não conheço."

Almada Negreiros
Publicado em "Almada: O Escritor - O Ilustrador", 1993

O AMOR É O AMOR

"O amor é o amor - e depois?!
Vamos ficar os dois
a imaginar, a imaginar?...

O meu peito contra o teu peito,
cortando o mar, cortando o ar.
Num leito
há todo o espaço para amar!

Na nossa carne estamos
sem destino, sem medo, sem pudor,
e trocamos - somos um? somos dois? -
espírito e calor!
O amor é o amor - e depois?!"


Alexandre O´Neill
Poesias Completas
1951/1981

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Desperta-me de noite
Maria Tereza Horta

Desperta-me de noite
o teu desejo na vaga dos teus dedos
com que vergas o sono em que me deito
É rede a tua língua em sua teia
é vício as palavras com que falas
A trégua a entrega o disfarce
E lembras os meus ombros
docemente na dobra do lençol
que desfazes
Desperta-me de noite
com o teu corpo tiras-me
do sono onde resvalo
E eu pouco a pouco
vou repelindo a noite e tu
dentro de mim
vai descobrindo vales.

Quero você roçando
teus lábios no meu pescoço...
Deixando meu corpo excitado
colado ao teu...
Sentindo todo tesão que
emanado teu corpo de homem...
Quero você tocando meus seios...
Quero tuas maõs passeando
no meu corpo nu...
Tua língua percorrendo meu sexo...
Quero você...
É você,o meu homem...
o meu amor...
(Clara da Costa)

Quero você roçando
teus lábios no meu pescoço...
Deixando meu corpo excitado
colado ao teu...
Sentindo todo tesão que
emanado teu corpo de homem...
Quero você tocando meus seios...
Quero tuas maõs passeando
no meu corpo nu...
Tua língua percorrendo meu sexo...
Quero você...
É você,o meu homem...
o meu amor...
(Clara da Costa)

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

O CORPO AO QUERER

Edmar Guedes Corrêa
As mãos atadas á cama

O olhar angelical e submisso

Não dão idéia da chama

Que há em tudo isso
Os lábios embora mudos

Imploram por beijos molhados

E os seios rijos e carnudos

Sonham em serem chupados
As pernas inquietas demais

Movendo-se para todo lado

Parecem pedir mais e mais

Que as mantenham afastadas
Mas é da vulva úmida e quente

Que parte o clamor mais forte:

Ah, pica dura e imponente

Para a vida tu és meu passaporte!


ELOGIO DO PECADO

Bruna lombardi



"Ela é uma mulher que goza

celestial sublime

isso a torna perigosa

e você não pode nada contra o crime

dela ser uma mulher que goza



você pode persegui-la, ameaçá-la

tachá-la, matá-la se quiser

retalhar seu corpo, deixá-lo exposto

pra servir de exemplo.

É inútil. Ela agora pode resistir

ao mais feroz dos tempos

à ira, ao pior julgamento

repara, ela renasce e brota

nova rosa



Atravessou a história

foi queimada viva, acusada

desceu ao fundo dos inferno

se já não teme nada

retorna inteira, maior, mais larga

absolutamente poderosa."

ELOGIO DO PECADO

Bruna lombardi



"Ela é uma mulher que goza

celestial sublime

isso a torna perigosa

e você não pode nada contra o crime

dela ser uma mulher que goza



você pode persegui-la, ameaçá-la

tachá-la, matá-la se quiser

retalhar seu corpo, deixá-lo exposto

pra servir de exemplo.

É inútil. Ela agora pode resistir

ao mais feroz dos tempos

à ira, ao pior julgamento

repara, ela renasce e brota

nova rosa



Atravessou a história

foi queimada viva, acusada

desceu ao fundo dos inferno

se já não teme nada

retorna inteira, maior, mais larga

absolutamente poderosa."

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

MÃOS QUE BUSCAM
Minhas mãos atrevidas te procuram.
No escuro tocam teu corpo
reconhecem cada curva e espaço.
Minhas mãos atrevidas te usam
te desnudam e te abusam...
e dos teus, assimilam cada traço.
Minhas mãos atrevidas se deleitam
deslizam em teu peito e se perdem
entre prazeres de amor e ternura.
Minhas mãos atrevidas...
audaciosasbuscam teus lábios grossos
e os trazem aos meus e os mordo levemente
e os beijo sequiosamente
levando meu corpo pra bem juntinho do teu.
Claudete Silveira

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Nálu Nogueira - Delírios da tarde

"Traz-me tua boca e deixa que pouse
aqui sobre os meus seios.
A tarde vai pelo meio e desde a aurora o corpo meu
sedento te deseja.
Dá-me tua língua em minha língua para
que eu te excite
movimentos meus no céu da boca e dentes
lábios quentes sobreos teus deixam escapar gemidos.
Fecha os olhos, deita enquanto esfrego
emtua pele meus mamilos
tua bunda e coxas minha boca e dentes.
Ouve o meu pedido urgente em teus ouvidos.
Sente os movimentos ondulantes meus quadris
em tuas ancas, sobe e desce lento e mexe e vira e olha, sente.
Segura meus quadris em tuas mãos
e gira e gira e puxa e tira e puxa novamente.
Olha.Meu olhar para ti flameja e o ar me falta.
Tua boca nos meus seios, gemo.
Tua mão meus pêlos,púbis, grito.
Minha voz e teus gemidos, minhas mãos tentam tocar o infinito
enquanto gozo louca no teu colo
enquanto sinto teus espasmos dentro.
Findo.
Minhas mãos na tua pele em lanhos do meu desejo.
Marcas púrpuras do teu beijo em meu pescoço.
O suor da tua pele no meu corpo.
Canso.
E adormeço nua e acolhida em teu abraço."
Beijos espalhados em todo teu corpo
meu amor...meu homem...
tesão delicioso..
te amo...
desejos intensos...
tua sempre!

Nálu Nogueira - Delírios da tarde

"Traz-me tua boca e deixa que pouse
aqui sobre os meus seios.
A tarde vai pelo meio e desde a aurora o corpo meu
sedento te deseja.
Dá-me tua língua em minha língua para
que eu te excite
movimentos meus no céu da boca e dentes
lábios quentes sobreos teus deixam escapar gemidos.
Fecha os olhos, deita enquanto esfrego
emtua pele meus mamilos
tua bunda e coxas minha boca e dentes.
Ouve o meu pedido urgente em teus ouvidos.
Sente os movimentos ondulantes meus quadris
em tuas ancas, sobe e desce lento e mexe e vira e olha, sente.
Segura meus quadris em tuas mãos
e gira e gira e puxa e tira e puxa novamente.
Olha.Meu olhar para ti flameja e o ar me falta.
Tua boca nos meus seios, gemo.
Tua mão meus pêlos,púbis, grito.
Minha voz e teus gemidos, minhas mãos tentam tocar o infinito
enquanto gozo louca no teu colo
enquanto sinto teus espasmos dentro.
Findo.
Minhas mãos na tua pele em lanhos do meu desejo.
Marcas púrpuras do teu beijo em meu pescoço.
O suor da tua pele no meu corpo.
Canso.
E adormeço nua e acolhida em teu abraço."
Beijos espalhados em todo teu corpo
meu amor...meu homem...
tesão delicioso..
te amo...
desejos intensos...
tua sempre!

COISA AMAR
Manuel Alegre


"Contar-te longamente as perigosas
coisas do mar. Contar-te o amor ardente
e as ilhas que só há no verbo amar.
Contar-te longamente longamente.


Amor ardente. Amor ardente. E mar.
Contar-te longamente as misteriosas
maravilhas do verbo navegar.
E mar. Amar: as coisas perigosas.


Contar-te longamente que já foi
num tempo doce coisa amar. E mar.
Contar-te logamente como doi


desembarcar nas ilhas misteriosas.
Contar-te o mar ardente e o verbo amar.
E longamente as coisas perigosas."

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

COMO FERA
Como uma felina vou entrando em sua vida
Perseguindo a presa ,desnudando seus desejos
Vasculhando sua intimidade,com olhar de sedução
Te despindo todas as fantasias,corpos que se atraem
Esperando seu cheiro,com sagacidade de conquista suprema!
A carne treme,a cabeça gira,o corpo responde
Com atrevimento que seduz,vou devorar você
Quero impregnar o ar com nosso odor
De sexo latejante sobre lençóis.
Deslizar aconchegada no seu peito
que arde e queima de tesão
calma,solta,espera,olhar,insinuo,esfrego-me
ofereço como licor
você não resiste e nos completamos
com delírios de”ais”,gozos infinitos
prazeres e penetrações nunca antes atingidos.
Como uma fera saciada ,te envolvo
E não te perco mais
(Tânia Ailene)

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Alma em Delito


"Seus lábios que tecem sussurros, gemidos
Sua língua que molha, lambuza, instiga
Seu pescoço que arrepia, calafrios
Seus seios macios, mordidas
Sua barriga que desliza entre meus dedos
Seu bumbum empinado, pedindo
Abra-me, possua-me
Sua buceta que molha, carnuda
Sacia minha vontade
Minha sede
Seu corpo, meu corpo
Nossa alma em delito"

Por Japonezuda


segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Você Selvagem...
Você,louco,alucinado
Excitado puxa-me e me beija
Beija meus lábios pescoço,nuca e seios
Sua camisa é arrancada
meu vestido rasgado.
Teu cheiro inebriante
misturado ao meu,tesão enlouquente
cheira meu sexo
lambe,suga,trinca
Todo meu néctar.
Sussurros,gemidos,gritos
E cai sobre mim.Insaciável!
Selvagem,dominador!
Vagarosamente desliza em mim...
queima-me por dentro
E com volúpia em seguida.
Nossas respirações
Viram refrões,gemidos
E como um só
Explodimos em sexo selvagem
Vem meu homem
Mais uma vez assim...
Você selvagem.
(Fran Melo)
Louca de tesão por ti
meu amor...meu homem..
hummm...tesão delicioso
Você Selvagem...
Você,louco,alucinado
Excitado puxa-me e me beija
Beija meus lábios pescoço,nuca e seios
Sua camisa é arrancada
meu vestido rasgado.
Teu cheiro inebriante
misturado ao meu,tesão enlouquente
cheira meu sexo
lambe,suga,trinca
Todo meu néctar.
Sussurros,gemidos,gritos
E cai sobre mim.Insaciável!
Selvagem,dominador!
Vagarosamente desliza em mim...
queima-me por dentro
E com volúpia em seguida.
Nossas respirações
Viram refrões,gemidos
E como um só
Explodimos em sexo selvagem
Vem meu homem
Mais uma vez assim...
Você selvagem.
(Fran Melo)
Louca de tesão por ti
meu amor...meu homem..
hummm...tesão delicioso

IMAGEM
Liz Christine

"Boca
Linda e rosada
Bem-feita e ocupada
Pele
Sedosa
Ociosa
À espera de um toque
Unhas
Que arranhões provocam
Umbigo e quadris
Que ao prazer convidam
E a libido excitam
Queimando, ardendo, incendiando
Nossas vozes gritando
Nossos corpos extasiados
E o desejo maravilhado
Recomeça inquieto
E para sempre desperto..."

IMAGEM
Liz Christine

"Boca
Linda e rosada
Bem-feita e ocupada
Pele
Sedosa
Ociosa
À espera de um toque
Unhas
Que arranhões provocam
Umbigo e quadris
Que ao prazer convidam
E a libido excitam
Queimando, ardendo, incendiando
Nossas vozes gritando
Nossos corpos extasiados
E o desejo maravilhado
Recomeça inquieto
E para sempre desperto..."

DESEJOS
Douglas Mondo

"Senhora buscai em meu corpo teu desejo louco,
sou homem não sou santo a ti abro meu manto
e se beberes na bruma da manhã desse prazer que não é pouco,
deitarei meu corpo em teu leito te causando espanto.


Em desalento, mesmo distante do legado em jeito,
faça de meu corpo tua moradia como febre em estadia,
lânguida, em minha pele com teus delírios me deito
e de belo agrado te aninho em meu pulsante peito.


Sou teu pecado não sejas mulher ternura,
na cama tuas vontades recebo como tua melhor criatura
e pecai...muito, por prazer não perdes a candura.


Faça da carne a música como escultura bêbada
e do poema um rio solto em direção ao revolto mar,
solte o leme da escuna, naufrague nas ondas desse lindo namorar."

kero-me teu
intensamente dado
minha mulher
meu tesão

DESEJOS
Douglas Mondo

"Senhora buscai em meu corpo teu desejo louco,
sou homem não sou santo a ti abro meu manto
e se beberes na bruma da manhã desse prazer que não é pouco,
deitarei meu corpo em teu leito te causando espanto.


Em desalento, mesmo distante do legado em jeito,
faça de meu corpo tua moradia como febre em estadia,
lânguida, em minha pele com teus delírios me deito
e de belo agrado te aninho em meu pulsante peito.


Sou teu pecado não sejas mulher ternura,
na cama tuas vontades recebo como tua melhor criatura
e pecai...muito, por prazer não perdes a candura.


Faça da carne a música como escultura bêbada
e do poema um rio solto em direção ao revolto mar,
solte o leme da escuna, naufrague nas ondas desse lindo namorar."

kero-me teu
intensamente dado
minha mulher
meu tesão

"UM SORRISO"
Ferreira Gullar

"Quando
com minhas mãos de labareda
te acendo e em rosa
embaixo
te espetalas


quando
com o meu aceso archote e cego
penetro a noite de tua flor que exala
urina
e mel
que busco eu com toda essa assassina
fúria de macho?
que busco eu
em fogo
aqui embaixo?
senão colher com a repentina
mão do delírio
uma outra flor: a do sorriso
que no alto o teu rosto ilumina?"