terça-feira, 23 de setembro de 2008

AO NORTE DE MIM
Ivaldo Gomes

"E o mundo gira em círculos,
Cada vez mais fechados.
É como se fosse uma roda,
A moer minhas esperanças
Sem dó nem piedade.
E gira o mundo em mim,

E muda os fusos
E difusos eu fico,
Eu vou.
E olho o norte da

Minha bússola amorosa,
E o magnético aponta.
O meu desapontamento.
E fico girando os pensamentos,

Ungüentos dos meus
Sonhos, desejos.
Lembro dos beijos,
Dados em ti.
Do universo de
Encantos do céu
Da tua boca.
E rouca fica a voz,

O violão e o verso.
E no reverso dos dias,
Ao Norte de mim.
E rola a vida lá fora...

E gira o desejo no peito...
E o meu astrolábio,

Salgado da maresia,
Molhados dos pingos
Das lágrimas.
Que caem assim.
Ai de mim, prisioneiro.

Desse olhar, que roda, roda,
Ao Norte de mim."

Nenhum comentário: